Tubarão: Compradores de apartamentos na planta denunciam atraso e propaganda enganosa no Residencial Vila Verde

17/09/2010 18:27

 Uma série de reclamações vem sendo feita por compradores de apartamentos contra uma empresa da construção civil e imobiliária da Cidade Azul  onde acreditam estarem sendo ludibriados. Isso está ocorrendo no Residencial Vila Verde (com 2 blocos), localizado no Bairro Vila Esperança, em Tubarão e que são comercializados pela Vendelar Imobiliária, construído pela Habitare e com financiamento pela Caixa Econômica Federal.

O imóvel localiza-se dentro do Parque das Palmeiras. O prédio deveria ser entregue em julho, mas o contrato estipulava uma margem de atraso de 60 dias úteis. A data máxima de entrega estava marcada para dia 30 de agosto e até agora os adquirentes estão sem as chaves em mãos. Após as vistorias, os futuros moradores do Residencial Vila Verde encontraram muitos problemas, material de péssima qualidade, portas emendadas e já inchadas, pintura mal feita, forro desprendendo-se, janelas que não fecham direito e sem silicone, entre outros.

A imobiliária justificou aos proprietários o seu atraso devido ao período de muitas chuvas e falta de mão-de-obra. Mas até agora nada foi feito. Contrataram apenas um pintor para arrumar os 32 apartamentos. “Já que estão atrasados, deveriam contratar mais pessoas para evitar maiores atrasos. Mas preferem empenhar-se agora em iniciar a construção de mais três prédios e largaram de mão a finalização das obras no Vila Verde” afirmam. Na construtora Habitare, em Florianópolis e na Caixa Econômica Federal de Tubarão ninguém quis se manifestar sobre o assunto. Já o proprietário da Vendelar, Fernando, ao ser procurado pela reportagem do Jornal A Crítica, na manhã de sexta-feira (17), lavou as mãos e disse que não iria se manifestar sobre o assunto antes de ver a matéria publicada. O superintendente da Tubarão Empreendimentos, Jaime Ramos, que é o responsável pela comercialização do conjunto Residencial,  estava em Florianópolis durante a sexta-feira e não quis se manifestar sobre o assunto e observou que somente na próxima terça-feira (21) vai tratar do assunto, oportunidade que estará entre às 9 e 16 horas no local.

O Parque das Palmeiras  foi planejado, principalmente por sua localização próximo à BR 101. Com a duplicação da rodovia, suas vias marginais e a construção de um elevado de acesso a 100 metros do loteamento, o parque está totalmente integrado à vida de Tubarão e toda a região.

 

Moradores enviam carta para A Crítica e desabafam a sua desolação sobre o problema

 

O Jornal A Crítica recebeu nesta semana uma carta onde Raquel Duarte Souza e Diego de Oliveira Blasius desabafam suas indignações diante do problema que está sendo causado pelo atraso na entrega do apartamento que adquiriram. Na carta, Raquel conta que ela e seu marido também compraram um imóvel no residencial. “Estamos, com certeza, como todos os outros compradores, extremamente decepcionados e até revoltados com essa situação. Compramos um pequeno, mas muito charmoso apartamento em uma ótima localização que pensávamos que estaria pronto até o meio desse ano, já que o prazo garantido pela construtora Habitare de Florianópolis era 5 de junho. Não foi o que aconteceu. O prazo passou e a obra não parece nem perto de ficar pronta. Fomos chamados para fazer uma vistoria, no que aparentemente queriam que acreditássemos ser o apartamento pronto. Não precisava entender de construção para notar que de pronto aqueles apartamentos. Não tem nada. O nosso, pelo menos, estava extremamente mal acabado, necessitando de novos acabamentos, troca e consertos de portas, janelas, pisos e etc. A vistoria foi feita com a presença do engenheiro da obra, que como manda o figurino, anotou todas as nossas reclamações e garantiu a melhoria do imóvel. Essa vistoria foi feita há quase três semanas e acredite, nem metade de nossas reclamações foi resolvida. Quando fomos à obra verificar o andamento das coisas, descobrimos que apenas um trabalhador permanece no local para fazer os acabamentos em mais de 30 apartamentos”, observa indignada.

Diante deste quadro, Raquel e seu marido não tem boas expectativas. Ou o serviço não vai ficar pronto tão cedo, ou eles pretendem fazer um serviço rápido e mal feito. “Fazemos parte de um grupo que precisa do apartamento com urgência. Estamos pagando aluguel, estou grávida de nove meses e não tenho nem onde colocar um berço onde moro atualmente. Buscamos conversar com o corretor que nos vendeu o apartamento, funcionário da imobiliária Vendelar, que foi tão atencioso na hora de vender o imóvel e que agora nos atende até com grosseria, mas não conseguimos nenhum progresso. Infelizmente, estamos à mercê da construtora e da imobiliária que não levantam um dedo para agilizar a entrega de uma obra já bastante atrasada. Vejo isso como falta de respeito e espero que as coisas possam mudar. Isso com certeza pode ser considerado um alerta para todos os tubaronenses que pretendem comprar um imóvel na planta. Que eles olhem bem quem está construindo e vendendo esse imóvel”, enfatizam os compradores.

Sem solução moradores pensam até procurar a polícia e o Ministério Público

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!